Sábado, 13 de Março de 2010

Pequena Resenha Crítica:“Da Humana Condição”Novo Livro de Poemas de José-Augusto de Carvalho, de Portugal
“É na regularidade da paisagem, e, por extensão, da descrição poética dela, que nos deparamos com o inusitado que quebra a expectativa e faz peculiar a poética (...) –

Ademir Demarchi – Escritor e Editor da Revista Babel

Além da belíssima apresentação gráfico-estética da edição (Edium Editores, Portugal, Estúdios da Edium Editores, Março 2008), o livro de poesia “Da Humana Condição” de José-Augusto de Carvalho, de Portugal, é uma nova excelente coletânea de poemas novos, de sua mais recente safra como sempre fora de série. Janelas – tábuas de esmeraldas? – de águas e lodos, de apontamentos e desapontamentos, da própria humana condição revisitada com olhares poéticos lustrosos (para o bem e para o mal), registrando verbos, lavas, larvas, perdições, análises em rotas letrais próprias, sensíveis. Tristemente sensíveis. A esperança já não se renova a cada dia, ou a esperança é a inteligência da vida?. Ou um experiente olhar afinado, como o do autor poeta, depurando a realidade, é também olhador de tudo de ruim e pressente para onde caminha a humanidade, em sua condição de caos anunciado, caos urbano, arrebentações de toda ordem? Ler e refletir sobre.
Pinturas literais de seu tempo se afinando, na medida do possível com os olhares severos fazendo releituras, tocando destemperos, fermentações, tristezas, utopias. Xavier Zarco (Coimbra), muito bem o define: “Poemas no seu esplendor (...) Não podemos manter o olhar cerrado (...) A condição humana se desnuda perante o nosso olhar (...)” Panoramas, nostalgias, banzos literários dentro de óticas humanistas: “...O verbo unindo horizontes/Com as cinzas ergueu pontes/De constante renascença” (pg. 57). Soberano no estúdio de sua alma, amargo ou crítico, ou na inevitável sofrência própria dos seres extremamente lúcidos para esses tempos tenebrosos (a pós-globalizaçao do crime organizado do neoliberalismo como um câncer social em detrimento do chamado humanismo de resultados), segue José-Augusto determinado, consciente e sábio o amigo virtual (lincado nesse mundo pelas infovias da net/web); mas também raro e rico amigo livral (presencial pelas obras portentosas que generosamente nos envia), José-Augusto de Carvalho está cada dia mais profícuo; cada dia melhor nos acabamentos, no auge criacional de sua vida-livro, inclusive com os seus novíssmos e importantes poemas que o retratam altamente produtivo, já que regulamente nos envia por e-mail suas produções e derramas, como um achador residual de se colocar na vida como parte alegre-triste dela, lendo a vida contemporânea, a dolorosa tábua da vida, como um testemunho de sua própria afirmação como ser entre os que se parecem com alguma coisa próxima do Ser (inclusive e principalmente socialmente falando), dando registro sério de sua época, de sua existência como ser humano e como humanista, ainda delatando os contrastes de seu tempo com olhares que estão acima dos campos de lavanda dos sonhos. José-Augusto de Carvalho nasceu em 20/07/37, em Viana do Alentejo, Portugal, tem já outros importantes livros como: Arestas Vivas (1980), Sortilégio (1986), Tempos do Verbo (1990), Vivo e Desnudo (1996), Nós Poesia (2002, como Lizete Abrahão), A Instante Nudez (2005) que tive o prazer de resenhar (um dos melhores livros de poemas que li em minha vida), e agora este seu da “Humana Condição”. Espero (esperamos) que José-Augusto de Carvalho continue com seu tear, na lida, pois o enorme prazer da leitura que nos encanta com trabalhados versos de qualidade, além do acabamento gráfico-editorial o que nos apresenta o trabalho literário de cara e capa, na beleza da obra que se reafirma pelo conteúdo enquanto riqueza lítero-cultural de um poeta na mais bela condição humana de poetar com gabarito e quilate: “As vezes o silêncio esmaga/O tumulto das palavras (Verbo de Pedra, pg 51). O livro é um atual depoimento poético “de homens em tempos sombrios”, para lembrar Hannah Arendt, em Entre o Passado e o Futuro/A Condição Humana.
*
Silas Correa Leite,
Itararé, São Paulo, Brasil
22/5/2008


publicado por Do-verbo às 03:40
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

15
16
17
18
20

21
22
24
26
27

28
29
30
31


pesquisar neste blog