Quarta-feira, 01 de Junho de 2011
 
 
De palavras não careço
nem há palavras precisas;
apenas o teu olhar
sempre me ilumina e guia.

 
Afronto as encruzilhadas
indefinindo os caminhos.
Despetalo rosas rubras
e o caminho cheira a sangue.

 
Em cada nuvem cinzenta
que presagia procela,
adivinho as tuas lágrimas
derramando-se na espera.

 
Com o meu bordão, amparo
o trôpego caminhar
dos meus passos que recusam
descansar ou desistir.
 
 
 
José-Augusto de Carvalho
1 de Junho de 2011.
Viana de Fochem


publicado por Do-verbo às 15:34
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
15
16

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds