Sexta-feira, 27 de Novembro de 2009
(versão não meteorológica)

I
No princípio, era um pequeno lago
com juncos e salgueiros nas orlas,
e também rãs, que, desde o início da primavera,
coaxavam noites inteiras em busca de sorte.
Aos domingos era a nossa piscina,
o nosso lugar de piquenique e de repouso,
perturbado apenas pelas moscas,
pelo seu abuso em provar o farnel exposto
e pela teimosia inata em poisar e voltar a poisar.
Havia também uma ponte muito velha
com gradeamentos igualmente velhos.
Não sei se por isso, já uma mulher tinha caído à água.
Outros diziam ter sido uma criança e outros ainda
que afinal fora um velho.
A sorte de quem quer que tenha sido
é tão confusa como a notícia.
No princípio, como disse, era um pequeno lago
com peixes e cobras de água
em permanente bailado subaquático.
Mergulhávamos naquelas águas durante toda a manhã
E um pouco à tarde, depois da digestão.
Já completamente exaustos, enxugávamos ao sol
- nossa toalha de banho –
Em suma, no desconhecimento absoluto do que faltava de mundo,
o pequeno lago foi o ideal de vida,
a única viagem de sonho a cada domingo de verão.
Entretanto crescemos.
Fizeram umas barracas de madeira
para venda de comidas e bebidas onde antes nos rebolávamos,
construíram uma nova ponte em betão,
mas permanecem os juncos e os salgueiros
e os batráquios também.
Disseram-me que estava tudo muito turístico.
A propósito: na verdade, o pequeno lago é um rio,
um pequeno rio, afluente do Tejo,
mas isso não tem importância nenhuma.

II
Um dia o meu pai queimou as costas
e foi uma tragédia.
Ele queria apenas aproveitar o sol,
que era uma dádiva de domingo.
De início foi apenas um escaldão
mas à noite é que foram elas:
Gemeu, contorceu-se com dores,
e ainda hoje tenho as minhas dúvidas
quanto ao suor que lhe ensopava o rosto:
ele não queria desvendar as lágrimas, e muito menos aos filhos,
mas penso que chorou e não foi pouco.
Durante uma semana tememos ficar sem pai,
(que nunca tínhamos visto acamado durante o dia)
mais pela presença diária do enfermeiro, que fazia o curativo,
que pela continuação dos queixumes.
Mas esta espécie de catástrofe familiar depressa foi debelada
e tudo voltou ao normal.
O esplendor do pequeno lago ou o rio, como mais tarde soubemos,
nunca foi beliscado.
Apesar de tudo, sempre nos lembrámos daquele lugar de salgueiros
e juncos, de rãs, de peixes e cobras de água dançarinos,
como um sítio aprazível e fresco, com águas transparentes
até onde havia pé,
como era impossível em qualquer outra parte do mundo.

III
Ainda não havia achigãs. Surgiram mais tarde
e em grande quantidade. Comiam tudo o que mexesse.
Pescavam-se bogas e barbos,
que mordiam o anzol atraídos por uma larva branca,
concebida de propósito,
e também ela condenada ao passatempo
dos pescadores de fim-de-semana.
Para estes, os nossos divertidos mergulhos ou mesmo as nossas chapinhadas
eram motivo de censura: assustavam os peixes,
afastavam-se e já não picavam.
A realidade é que havia espaço para todos:
a malta tomava banho e eles sempre filavam peixe.
O regresso a casa era à tardinha,
que é como quem diz, quando o sol mudava a cor
para aquele vermelhão escuro, que o fazia perder a força
para se suster lá no alto, e arrefecia como nós,
à custa duma brisa fresca, implacável, a anunciar o fim do dia.
Mas o pequeno rio não era esquecido:
dormia connosco essa noite e a seguinte e outra ainda,
e mesmo que o quiséssemos ignorar,
o latejar das peles quase pueris, os tufos de areia
nos bolsos e bainhas e o anseio pelo próximo domingo,
eram lembranças bastantes.
A água deste rio ainda hoje corre nos meus sonhos.

João de Sousa Teixeira
Migrando para este novo espaço.


publicado por Do-verbo às 15:03
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
25



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds