Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

 

 

O tempo que me coube são as horas

marcadas no relógio do teu peito,

exactas, sem angústias nem demoras,

suaves nesse altar de amor perfeito.

 

No tempo, sejam horas ou desoras,

teus braços são o ninho em que me deito,

teus olhos são as rútilas auroras

que inundam de manhãs o nosso leito.

 

São estas horas certas que entreteces,

determinando o tempo singular,

que dão à vida a plena dimensão.

 

Ah, tempo, que de vida me esmaeces!

Consente que os meus anos, no passar,

sublimem este mel no coração.

 

 

José-Augusto de Carvalho

12 de Setembro de 2004.

Viana * Évora * Portugal



publicado por Do-verbo às 22:39
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
25



pesquisar neste blog