Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

 

 

Os Pirenéus são a fronteira natural.

Aquém se estende a Ibéria...

...deslumbrando-se nos poentes incendiados

donde lhe acena o Novo Mundo!

...encantando-se nos mistérios do Meio-dia,

onde adivinha maravilhas de ébano

e rotas salgadas de pimenta e canela!

 

Lê nas estrelas o destino da largada!

O pátrio solo ibérico apenas é o cais,

o cais determinando a partida inevitável

para o mundo ignoto que chama, chama, chama!...

 

É a predestinação!

 

E vai, sobre as ondas lavadas de aventura e liberdade,

abraçar o longe, que mora além do medo e da renúncia!

 

E deixa para trás as terras de Espanha

e as areias de Portugal!

 

No cais da largada,

ficam as viúvas do medo acenando o adeus soluçante,

que será ou não o adeus de nunca mais!

 

Os lenhos singram ligeiros nas rotas da tontura!

Os mastros gemem, gemem... mas não quebram!

As velas, prenhes de longe e de evasão,

voam na distância, mais e mais!

 

E os lenhos enfrentam o Cabo Não!

E dobram o Cabo Não!

E vão até ao Fim do Mundo!

 

Além dos Pirenéus, expectante,

 um mundo outro que escolhera ficar,

assumindo a separação definitiva.

 

 

José-Augusto de Carvalho

5 de Agosto de 2008.

Viana do Alentejo *Évora * Portugal



publicado por Do-verbo às 16:12
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
25



pesquisar neste blog