Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

 

 

 

 

O músculo cardíaco bombeia.

Num tique-taque, a morna melopeia...

  

Nas têmporas, palpita o sangue vivo,

correndo o corpo todo numa ronda.

Sustenta, aquece, alaga e atento sonda,

instante, num vaivém imperativo.

 

Não pára o seu labor e não reclama

por horas de descanso ou regalias.

Só quando eu ajo contra mim me chama,

vergando perigosas ousadias.

 

Num dia por haver, quando será?,

exausto do labor ou agredido,

meu tempo de existir silenciará

e nada, além de mim, fará sentido...

 

 

José-Augusto de Carvalho

23 de Outubro de 2005.

Viana * Évora * Portugal



publicado por Do-verbo às 15:49
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
25



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds