Quinta-feira, 28 de Abril de 2011

 


                                                           Para a  Poetisa Lílian Maial, minha amiga
 
 

    Nas páginas do tempo, em livro aberto,
    o testemunho inscreve a rebeldia:
    a solidão da sede do deserto
    esconde sempre um poço de água fria.

    As coisas nunca são o que parecem.
    Do céu, o vento as nuvens afugenta.
    Se oásis de ternura reverdecem,
    que poço de água fria os dessedenta?

    Que Estrada de Damasco, oh Síria antiga,
    por entre os desencontros dos abutres,
    no tempo sobrevive livro aberto?

    Que poço de água fria te mitiga,
    na solidão da sede do deserto,
    se há tanto tempo só de sal te nutres?



José-Augusto de Carvalho
3 de Abril de 2009.
Viana de Fochem+Évora*Portugal


publicado por Do-verbo às 07:12
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

19
23

24
25
26


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds