Quarta-feira, 01 de Fevereiro de 2012
 

 

Revisito a ternura a doer na lembrança.
Tremeluz neste anelo um soluço criança.
 
A memória percebe a mensagem cifrada:
o impossível regresso ao regaço perdido.
Não há chama que acenda um pavio consumido
nem há eco da voz para sempre calada.
 
Há apenas a dor a ferir a lembrança.
E uma lágrima sulca impiedosa o meu rosto.
Do que fui, só restou, na saudade, o desgosto
de não mais, nunca mais!, ser de novo criança.
 
E pergunto o porquê, que só lágrimas gera.
E ninguém me responde! E ninguém dá por mim!
E o meu grito se esvai em angústias de fim,
sufocado a sonhar-se outra vez primavera…
 
 
José-Augusto de Carvalho
31 de Janeiro de 2011.


publicado por Do-verbo às 05:25
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29


pesquisar neste blog