Segunda-feira, 15 de Agosto de 2011
 
Os fastos e as misérias
assombram a falésia
com sonhos descarnados.
 
A branda maresia acaricia
o desencanto imóvel.
 
No tempo das desoras,
doendo a nostalgia
na angústia das palavras
à deriva.



 
Tuphy Mass
al Andalus, 1 de Agosto de 2010.


publicado por Do-verbo às 06:50
Quarta-feira, 10 de Agosto de 2011
 
 
Não vou nem fico, pairo sobre as águas
Limosas da lagoa verde-escura…
Com lágrimas, eu lavo as minhas mágoas
Quando me dói de mais a desventura…

 

 

 

Morri quando na barca de Caronte
Partiste para o frio esquecimento.
Agora, qualquer dia que desponte
Não me dará nem luz e nem alento.

 

 

 

Se foi imperecível o sentido
Que deste ao lucilar do setestrelo
Foi porque imperecível te queria…

 

 

 

Caronte te levou. O sem sentido
Ficou imperecível pesadelo
Até que o fim sufoque esta agonia…

 

 

 

Lisboa, 5 de Agosto de 2011


publicado por Do-verbo às 01:29
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds