Terça-feira, 31 de Maio de 2011
 
 

Dezembro na tradição
do milagre de nascer!...
Anseio em superação
de um mal-estar e mal-ser
da Humanidade em questão.
 
 
Se os direitos que são meus
mos recusou o cambista,
porque também os quer seus,
afinal que tempo dista
do tempo dos fariseus?
 
 
Eu prefiro, por lição,
a páscoa porque é passagem
do tempo da negação
ao tempo-hoje da coragem
que diz não à sujeição.

 
 
 
José-Augusto de Carvalho
3 de Dezembro de 2006.
Viana * Évora * Portugal
 
Nota: Este poema não foi incluído, por lapso, na colectânea «O MEU CANCIONEIRO».
Ficará assim em espera de uma reedição da colectânea ou será incluído em uma outra a preparar.


publicado por Do-verbo às 12:01
Terça-feira, 31 de Maio de 2011

 
 
Partiram tantos, rumo à áurea claridade
da fome que tem pão, da sede que tem vinho!
Deixaram para trás a insólita cidade
que apenas desconforto escolhe por caminho.
 
Levaram, na saudade, a triste cantilena
que, em lágrimas, se quer cantiga de embalar!
E à noite, quando a dor da solidão condena,
essa cantiga vai lhe as mágoas consolar.
 
Acharam desde o pão ao vinho, no labor.
E as gentes são iguais na dor e na alegria!
Apenas é diverso o modo de falar...
 
Aqui ficámos nós, sujeitos do que for
o dia de amanhã, que mal nos presagia
um dia mais no logro absurdo de esperar...
 
 


José-Augusto de Carvalho
27 de Fevereiro de 2008.
Viana * Évora * Portugal


publicado por Do-verbo às 09:53
Terça-feira, 31 de Maio de 2011

 

 
 
 
As árvores despiram as roupagens
que lhes vestira o ardor da primavera.
 
Dos êxtases de odor, em flor policromados,
dos néctares de alada embriaguez...
do efémero existir já nada resta.
 
Depois do sol fagueiro aconchegar,
em manta travestido,
a enxerga deserdada,
o tempo a seus desígnios já se rende
e o desconforto vem
assobiar nas telhas dos abrigos.
 
Agora,
nos hirtos galhos nus,
o inverno tece a frio o níveo manto
ornado de pendentes de sincelo.
 
 
 
José-Augusto de Carvalho
19.1.2008
Viana * Évora * Portugal


publicado por Do-verbo às 08:33
Terça-feira, 31 de Maio de 2011
 
 
 
Para Conceição di Castro, minha amiga



 

 

Naquele dia, um sol de outono austral
vestiu a cor de um Dia de Natal.
 
Suave, de matizes amarelos,
dourava de ternura o mês de abril.
Aqui e ali, revérberos de anelos
de uma pureza grácil e infantil.
 
Folgavam pelos céus os passarinhos,
às vezes arriscando acrobacias,
quem sabe pesquisando alguns caminhos
das rotas inventadas de outros dias...
 
E, assim, aquele dia de esplendor,
ao sol da vida ousou e foi a tela
que o génio sublimado de um pintor
reteve numa cândida aguarela.
 
 

 

José-Augusto de Carvalho
20 de Abril de 2007.
Viana * Évora * Portugal


publicado por Do-verbo às 08:20
Quarta-feira, 25 de Maio de 2011

 

 

 

Nada tenho a temer.
Eu sei ler nas estrelas
os caminhos do fim...
Que as torturas a haver
não me percam de mim
se tiver de sofrê-las...
Se perdido de vez,
num sem rumo à deriva,
que a resposta ao apelo
de ansiedade e porquês
seja a dor sempre viva
de morrer a perdê-lo...
 Sei ganhar e perder,
 nada tenho a temer...
 
 
José-Augusto de Carvalho
1 de fevereiro de 2005.
Viana * Évora * Portugal
 
 
***
 
 La mia Strada
 
José-Augusto de Carvalho
Versão em italiano de Eliude Santana
 
 
 
Non ho niente da temere
Io so leggere nelle stelle
Le strade della fine…
Che le torture che io possa avere
Non se perdano da me
Se le dovrò subirne…
Se del tutto me perdo
Senza destino alla deriva,
che la risposta all’appello
d’ansietà e dei ‘perché’
che sia il dolore sempre vivo
di morire in perderlo…
So vincere e perdere,
Non ho niente da temere…
 
 
 
***
 
Mis Caminos
 
José-Augusto de Carvalho
Versão em espanhol: Alberto Peyrano
 
 
Nada debo temer.
Sé ver en las estrellas
los caminos del fin...
Si torturas ha de haber
no me saquen de mí
por padecerlas
Si me pierdo alguna vez,
sin rumbo, a la deriva,
que la respuesta al apelo
de ansiedades y porqués
sea el dolor llama viva
por morir al perderlo...
Sé ganar y perder,
nada debo temer...
 
 ***
Nada sobrevém ao homem que ele não possa suportar


publicado por Do-verbo às 16:21
Domingo, 01 de Maio de 2011

           

 

 

 

            Nesta estrada singular

            Viana - Évora - Viana,

            é sempre este mal-estar,

            sete dias por semana.

 

            Além das bermas, o nada

            dos campos da solidão!

            Está de luto esta estrada

            coberta assim de alcatrão!

 

            É um Março de invernia,

            com sabor de primavera.

            Cansa tanto a letargia

            nesta já cansada espera!

 

            E eu resisto ao mal-estar,

            nesta angústia de esperar...

 

 

 

José-Augusto de Carvalho

7 de Março de 2008.

Viana*Évora*Portugal



publicado por Do-verbo às 03:09
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds