Sábado, 22 de Junho de 2013

HAI-KAIS IRREVERENTES

 

José Augusto Carvalho

 

 

Não tenho do verso a ciência,

Mas gosto de pôr à prova

Minha própria incompetência.

O meu ser é carcomido

De tanto ser e não ser

Na dor de nunca ter sido.

 *

Aproxima-se o meu fim.

Quando eu morrer,

O que serei de mim?

 *

Estou banhado em suor.

Bátegas caem sobre o pão.

Seu sabor será melhor?

 *

Quando chegar minha hora

Talvez eu ache um jeitinho

De não ir embora.

 *

O sentido da vida consiste

Em procurar para ela

Um sentido que inexiste.

 *

Os meus hai-kais,

Se vêm da fé,

São imorais.

A pedra cai na água fria,

E as ondas que faz se espalham

Na minha mente vazia.

 *

Eis um poeta da gema:

O vento que agita as ramas

Segreda um longo poema.

 *

Minha crença é esta, em suma:

Deus, antes de criar tudo,

Não tinha idade nenhuma.

 *
Cidade de Vitória - ES - Brasil


publicado por Do-verbo às 16:29
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28
29

30


pesquisar neste blog