Domingo, 16 de Junho de 2013

 

 




Dei tudo quanto tinha para dar...
Até a fantasia do meu canto!
Ai, que saudade tenho do luar
e da ternura argêntea do seu manto!

Saudade concebida de pureza,
na dádiva de um vago estremecer.
Enleio enamorado a prometer
antemanhãs sonhadas de beleza.

E neste fim já próximo da estrada,
desfio este rosário que sustenho
numa vigília trémula e cansada.

Sem ilusões nem sonhos, a desoras,
ainda, nesta espera que mantenho,
pergunto à Vida: Por que te demoras?



José-Augusto de Carvalho
16 de Junho de 2013.
Viana*Évora*Portugal



publicado por Do-verbo às 23:53
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28
29

30


pesquisar neste blog