Sexta-feira, 12 de Abril de 2013

Da Poesia Pura 

É quando a noite cai, doendo, nos meus braços,
e tremem, no silêncio, os medos ancestrais,
que irrompe a escuridão e, aquém dos meus umbrais,
me envolve, em seu torpor, em lânguidos abraços.


Se tardo adormecer, segredos me suspira,
segredos que eu esqueço ao despertar-me a aurora.
Mas não desiste nunca e torna, sem demora...
Rendido acontecer e ser de quem delira.


E a minha insónia teima em conceder-lhe espaço.
Meu corpo exausto e lasso entrega-se, rendido.
E a noite, sem pudor, despindo o seu vestido
de angústia e escuridão, reclama o meu abraço.


Abraço que não dou, mas sempre lho consinto
assim como se fosse um cálice de absinto...

 


José-Augusto de Carvalho
Lisboa, 10 de Abril de 2013.



publicado por Do-verbo às 13:20
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


pesquisar neste blog