Sábado, 28 de Julho de 2012

Já nem um arrepio o corpo sobressalta?
O tempo passa e com o tempo vou passando.
E fica para trás o como, o onde, o quando…
Será que tenho tudo e já nada me falta?

Talvez me falte a paz, a paz que nunca tive…
Que eu tenho céu azul e sol e tanto mar!
E um cais que se rendeu… e urgente é navegar
além do Cabo Não que nega quanto vive.

E nesta calmaria, inúteis são as velas.
Nem ventos de feição nem ventos de procelas
agitam este mar e acordam este cais…

E dói a solidão na ausência do convés.
Vagueio sem destino e já nem sinto os pés.
Exausto, neste fim de mim, quisera mais!


José-Augusto de Carvalho
Lisboa, 27 de Julho de 2010.



publicado por Do-verbo às 22:36
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27

29
30


pesquisar neste blog