Domingo, 24 de Agosto de 2014

A VELHICE E A VIDA

(Pensar, 7-02-14)

 

 

 

José Augusto Carvalho

 

 

Eu gostaria de ter a minha idade, mas sou mais velho do que eu mesmo. Preocupa-me o avanço da velhice , e vivo como se tivesse alguns anos mais... Ninguém me avisou de que a velhice  dói.  Não me preparei para ela...

Acho que vem do francês as duas condicionais sem a desnecessária  conclusão:  “Se juventude soubesse... se velhice soubesse...”  Muitos velhos talvez quisessem voltar a ser jovens, pela nostalgia que sentem do vigor perdido. Mas talvez isso signifique abrir mão da experiência e do conhecimento acumulados. Querer voltar à juventude é  desejar cair nas mesmas armadilhas e trapaças da vida que calejam a alma e enriquecem a mente. Eu nunca desejaria passar por isso tudo de novo.

Uma frase atribuída a Hipócrates sugere que  a velhice é um estado de espírito, e que é o ideal que faz a pessoa sentir-se jovem. Há mentiras maiores do que essa. Não é o ideal que impede o avanço da fraqueza física nem os carunchos nos ossos.

Perdemos muito tempo dormindo. Se as pessoas dormem oito horas por noite, então dormem a terça parte de um dia, a terça parte de um ano, a terça parte da vida. Um homem de 75 anos passou no mínimo 25 anos dormindo. Um desperdício de tempo, que poderia ser aproveitado pelo menos durante a juventude para que pudéssemos curtir melhor a vida. Mas a natureza madrasta exige que a recuperação física pelo sono nos tome tanto tempo útil da vida...

No conto “O imortal”, do primeiro volume de Escritos avulsos, Machado de Assis, conta a história de Rui de Leão, um franciscano que recebeu do  seu sogro, o cacique Pirajuá , um elixir milagroso que lhe garantiria a imortalidade. Durante mais de duzentos  anos, nosso homem viveu sempre jovem, viajou por vários países, aprendeu inglês, latim, hebraico, francês, italiano, alemão, húngaro, conheceu muitas esposas, viu-as morrer a todas e aos filhos, netos, bisnetos, trinetos , tetranetos , pentanetos... Quando se cansou de viver, bebeu o resto do elixir que o cacique lhe dera  e morreu.  Não desejo a imortalidade, mas invejo o personagem machadiano por ter vivido sempre jovem e ter escolhido o momento de morrer.

Não sei se teria sentido a vida desse personagem. Mas isso não importa.  Talvez o sentido da vida consista em se procurar um sentido para ela. Vale dizer:  a vida não tem sentido nenhum.

De qualquer forma, esse personagem teria tido tempo de sobra para refletir sobre a vida e sobre si mesmo. Talvez ele tenha sentido na própria carne que a morte dói, quando foi condenado à guilhotina, durante a Revolução Francesa, mas a pena foi comutada porque a lâmina afiada lhe atravessava o pescoço sem conseguir matá-lo.

Não precisei ser guilhotinado para entender que a morte dói. Mas a velhice dói muito mais.

 

 

 

Cidade de Vitória * Estado do Espírito Santo * Brasil



publicado por Do-verbo às 22:45
Registo de mim através de textos em verso e prosa.
mais sobre mim
blogs SAPO
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

25
26
27
28
29
30

31


pesquisar neste blog